Conheça os tipos de empresas e defina qual se encaixará melhor em seu negócio

Atualmente existem vários tipos de empresas no mercado brasileiro e, para escolher uma delas, é necessário fazer um panorama do seu negócio e definir o enquadramento fiscal. Elas são definidas por diferentes ramos de atividades e número de sócios, portanto, é importante saber quais são as diferenças.

Fizemos este post para explicar quais os tipos de empresas, como elas se diferenciam e quais são as normas conforme a legislação. Não deixe de conferir!

Quais os tipos de empresas no Brasil?

Empresário Individual – (EI)

Como o próprio nome diz, nessa modalidade, não existem sócios, apenas o proprietário responde por todas as ações da empresa. Não possui contrato social, só é feito um Requerimento de Empresário que é formalizado com todos os dados da empresa e do empreendedor.

O proprietário pode ter a sua empresa tomada, caso tenha dívidas empresariais em aberto.

Microempreendedor Individual – (MEI)

Elas estão inseridas no Simples Nacional e não tem autorização para escolher os regimes tributários. As empresas desta categoria não podem faturar mais que R$81 mil por ano e caso ultrapasse o valor, devem fazer a alteração para empresa individual.

Os microempreendedores não podem ter mais de um funcionário e caso necessitem de mais trabalhadores, devem alterar o tipo da empresa para efetuarem a contratação.

Sociedade Empresária Limitada – (LTDA)

Esse tipo de empresa caracteriza-se por ter dois ou mais sócios. O termo Limitada está ligado ao fato de que todos os sócios são responsáveis financeiramente e administrativamente pela empresa, de acordo com o capital social e a cláusula de exercício prevista no contrato social.

Essa modalidade de empresa é a mais adotada no Brasil, uma vez que protege o patrimônio pessoal dos sócios. Existe uma separação entre as contas pessoais dos membros e das contas da companhia.

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada – (EIRELI)

Esse modelo de empresa condiz em um sistema de propriedade única, no qual requer um investimento de no mínimo 100 salários mínimos, no momento de abertura.

O dono pode utilizar um nome empresarial sem ter o seu patrimônio pessoal ligado a empresa.

Sociedade Anônima – (SA)

A Sociedade Anônima é dividida entre capital aberto e capital fechado, o que resulta em uma divisão de capital entre todos os sócios, que são nomeados acionistas.

Quando o capital é aberto, as ações empresariais são negociadas na bolsa de valores, conhecida como Comissão de Valores de Mercado (CVM). Já no capital fechado, a companhia não declara ações, não tendo necessidade de ir a público pela bolsa.

Sociedade Simples

Está relacionada as companhias que disponibilizam apenas serviços. Empresas desse ramo não precisam ser registradas na Junta Comercial, porém devem ser registradas em um cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas.

Portes de cada tipo de empresa

  1. Microempreendedor Individual: Receita bruta anual é de até R$81 mil. Empregados: somente 1, com salário mínimo ou com o piso salarial da categoria.
  2. Microempresa: Receita bruta anual é de até R$ 360 mil. Empregados: Máximo 19 em indústrias, e até 9 no caso de comércios ou serviços.
  3. Empresa de Pequeno Porte: Receita bruta anual é até R$ 4,8 milhões a partir de 2018. Empregados: De 20 a 99 nas indústrias, e de 10 a 49 no caso de comércios e serviços.
  4. Empresa de Médio Porte: Não há restrições para a receita bruta anual. Empregados: de 100 a 499 em casos de indústrias, e 50 e 99 no caso de serviços e comércios.
  5. Empresa de Grande Porte: Não há restrições para a receita bruta anual. Empregados: Mais de 500 em caso de indústria e mais de 100 em caso de serviços e comércios.

Tributação para cada tipo de empresa

  • Simples Nacional: O novo limite de faturamento em 2018 para esse regime é de R$ 4,8 milhões por ano em receita bruta. Uma vantagem é que 8 impostos e contribuições estão inclusos, são eles: PIS, Confins, IPI, ICMS, CSLL, ISS, Imposto de Renda e INSS.
  • Lucro Real: Destinado para as empresas que faturam acima dos R$ 78 milhões. O cálculo é feito a partir do lucro real da empresa, incluindo as receitas e as despesas da instituição.
  • Lucro Presumido: É o segundo enquadramento mais utilizado no Brasil. Esse regime tem por base uma margem de lucro pré-fixada por lei e o faturamento máximo é até R$ 78 milhões.

Qual desses tipos de empresas o seu negócio se encaixa? Leia também o post as 7 preocupações sobre como montar uma empresa! Ficou com alguma dúvida? Deixe-nos um comentário.

share post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *